Lição 11 Revista Palavra e Vida: A Luta Interior (1)

A LUTA INTERIOR (1)

Introdução:
Jesus nos libertou do pecado, mas usufruir dessa liberdade é opção nossa.
A luta que travamos diariamente e mais difícil de vencermos, não é contra o diabo e sim contra nossos desejos carnais.Sentimentos e vontades que guardamos em nosso coração e trancamos lá pra que ninguém os veja.
Mas o pecado sempre aparece nos nossos momentos de fragilidade e nos fere mais que as setas do inimigo.
Perder a luta pra nós mesmos doi mais porque não temos em quem por a culpa

I) O fermento que faz crescer a massa:
Um pouquinho de pecado faz todo o estrago:
- Uma espiadinha num determinado site ou novela;
- Uma fofoquinha de leve aqui ou ali;
- Uma mentirinha;
- Uma preguicinha no tempo frio;
- Tempos longos a sós, certas carícias e apertos do casais de namorados e noivos;
- Ausência de atenção ao cônjuge e por aí vai...

II) Nossa impureza interior esta basicamente relacionada com:
- Prostituição, adultério e fornicação;
- Viver de forma maldosa e maliciosa;
- Pronúncia de palavrões e movimentos sensuais em público.

III) Atitudes impuras em relação a Deus:
- Idolatria que é seguir outros deuses, colocar qualquer coisa acima de Deus;
- Feitiçaria: ritos ou práticas de certas religiões. Algumas denominações ditas evangélicas tem colocado em seus cultos ou doutrinas algumas práticas semelhantes a feitiçaria, é a chamada "macumba gospel".

IV) Impureza nos relacionamentos humanos:
- Inimizades, contendas, facções, dissenções e partidos;
- Ciúmes e invejas;
- Bebedices;
- Iras;
- Orgias;
Esses e outros comportamentos devemos evitar.

V) Hora de separar o trigo do joio:
- Devemos cultivar o que há de bom em nós e tratar o que há de mal.
- Como?
> arrependimento e confissão;
> dizer não ao mundanismo e seus apelos;
> não seguir maus conselhos;
> não confundir liberdade com libertinagem;

Graça e paz!
Eduardo Leal

Leitura complementar:
http://ibmorumbi.blogspot.com.br/2011/11/nao-deixe-os-leoes-se-criarem.html

Texto: 1 Crônicas 11.22-24
Tema: A Luta Interior do Cristão
Título: Não Deixe os Leões se Criarem

Introdução:
a.       Falar em luta interior é considerar a necessidade cuidar dos nossos corações, que na linguagem bíblica, representa junto com outros órgãos, o nosso interior. Provérbios 4:23  “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida.” Mateus 15:19  “Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias”. E Salmos 73:21  “Quando o coração se me amargou e as entranhas se me comoveram”.
b.      Um dos primeiros passos para vencer a luta interior é cuidar do coração. “Todas as pessoas são como a lua: têm um lado escuro que não mostram para ninguém” (Mark Twain). É comum escondermos, ocultarmos algumas ações, alguns desejos, alguns pecados, e tudo isso é depositado no coração, que passa a sofrer (Salmo 51.2,7,8,10,12).
c.       O passar por uma luta interior tem um fator pedagógico positivo, pois segundo Robert Browning “Quando a luta começa em seu interior, então um homem já vale alguma coisa”. Davi no Salmo 51.16,17 vivencia uma luta interior depois de ter reconhecido que escondeu o pecado, mas esta luta interior serviu para libertá-lo do peso da culpa.

1.       QUEM ERA BENAIA – v.22
a.       Seu nome significa “Deus constituiu”. Era um soltado do exercito de Davi, mas não era um soldado comum, ele pertencia ao que chamamos de “tropa de elite de Davi”. O Exército era divido em quatro grupos descritos no verso 25:
                                                               i.      Na base, ficava o grupo maior, o exército propriamente dito;
                                                             ii.      Em seguida vinha o que chamamos de terceiro escalão, um grupo de trinta soldados (1 Crônicas 11.26-47);
                                                            iii.      Depois vinha o segundo escalão, onde três soltados dentre eles Benaia (Abisai e mais um);
                                                           iv.      E por fim os primeiro escalão, constituído de três principais guerreiros de Davi (Jasobeão, Eleazar e Samá – 2 Samuel 23.8-12).

2.       O MOMENTO DA LUTA – v.22
a.       Benaia matou um leão “no tempo da neve”. As batalhas exteriores eram impossíveis, pois com a neve e o frio, inviabilizava toda e qualquer movimentação para a batalha. Os soldados passavam muito tempo fora de casa e nenhum rei saia com suas tropas neste período. Era um período de descanso e para ficar com a família.
b.      Em 2 Samuel 11.1,2 vemos que os reis saíam para as guerras contra outros reis na primavera, pela descrição que Davi se levantou e foi passear no terraço de onde viu uma mulher tomando banho.
c.       O que precisamos entender é que a ausência de guerras exteriores acaba gerando uma ocasião propícia para as batalhas interiores. Benaia não saiu para lutar, mas ele travou uma luta interior, dentro de uma caverna, não contra um inimigo humano, mas com um leão, muito mais forte que qualquer outro soldado.
d.      Talvez este leão estivesse aterrorizando o povoado onde Benaia morava, matando gado, tirando até o sustento das famílias, e como ele estava “de férias das batalhas” fez deste o tempo oportuno para enfrentar aquele leão.
e.      Quando atravessamos o inverno de nossas vidas, Deus nos conduz à uma luta mais importante. Você pode não estar lutando contra outros inimigos a não ser contra você mesmo, contra os seus leões interiores que estão dominando seu coração assim como:
                                                               i.       Moisés quando estava pastoreando os rebanhos de Jetro (Êxodo 3.1-6ss) antes de ser chamado para libertar o povo do Egito;
                                                             ii.      Davi que ungido rei teve que fugir por dez anos de Saul que queria mata-lo (1 Samuel 18 a 30) antes de assumir o trono e reinar sobre Israel;
                                                            iii.      Paulo quando ficou quatro anos no deserto da Arábia (Gálatas 1.17-19) antes de ir para Jerusalém conhecer os apóstolos e começar seu ministério.
f.        Que leão você está enfrentando neste momento? Este é o momento, este é o tempo de sua luta, enfrente seu inimigo com fé e certeza que o Senhor é o seu general e assim você será vencedor.

3.       A NATUREZA DA LUTA – v.22
a.       Benaia “desceu à cova”, lutando com um leão no coração da terra, em um lugar escuro e solitário. Imagine ele seguindo as pegadas pela neve, elas levam a um tipo de caverna, então ele não tem outra alternativa a não ser entrar.
b.      Num primeiro momento a entrada é confortável, com um pouco de iluminação, mas a medida que ele vai entrando, o espaço fica menor, ele precisa de agachar,  por que não pensar em rastejar. Agora a única luz que tem é a de sua tocha acessa a qual carrega junto ao corpo.
c.       A medida que entra o clima muda, ele começa a sentir o calor da cova, quem além da apreensão fazem ele começar a suar. A escuridão é total, ele não tem como saber onde está o leão, embora este saiba exatamente onde Benaia está.
d.      A tensão aumenta, o som de sua respiração quebra o silencio, os seus passos quebram pequenos gravetos, e de repente surgem na sua frente dois olhos grande, amarelos e apavorantes. Eis ai o seu adversário. E ele começa a batalha.
e.      Precisamos enfrentar os nossos adversários interiores, encarando as nossas feras e monstros, as nossas necessidades, medos e pecados. Precisamos enfrentar o orgulho, a impulsividade, a indisciplina, a preguiça, a sensualidade, a maledicência (fofoca), o ciúme, a inveja, etc.
f.        Não fuja dos seus leões, não deixe pra lá como muitos fazem. Quando fugimos do problema e não resolvemos ele volta e com força maior, mais apavorante, mais destruidor.

4.       O RESULTADO DA LUTA – v.22
a.       Benaia “matou um leão”, e deixou a cova transformado, capacitado para se tornar o general e comandante da nação (1 Reis 2.35). Talvez no momento ele não foi reconhecido, mas tempo depois, quando Salomão (filho de Davi) precisou escolher um homem para ser seu novo general, que foi que ele escolheu?
b.      Não foi um dos trinta de Davi, não foi um dos três mais importantes soldados de Davi, sabe por quê? Por que nenhum deles saiu para guerrear quando não havia guerra; nenhum deles desceu a cova; nenhum deles matou um leão.
c.       Quando vencemos a nossa luta interior, tornamo-nos capazes de conquistar grandes vitórias e realizar grandes feitos. Quando deixamos Deus moldar nossas vidas seremos usados de maneira poderosa em suas mãos. Quando deixamos o Espírito Santo fazer uma obra santificadora em nós nenhum leão nos impedirá de ser benção.
d.      João era irmão de Tiago um dos primeiros discípulo de Jesus (Mateus 4.21). Junto com Pedro os três eram os mais chegados a Jesus (Marcos 9.2, 13.3, 14.33). Porém não vemos João se destacando no ministério de Jesus e nem no livro de Atos, é como que se João não estivesse ali.
e.      Mas ele não aparece porque ele passava pelo inverno de sua vida, ele estava lutando contra seu leão, o temperamento, ele era explosivo, de pavio curto (Marcos 3.17 e chama de “filho do trovão”; Marcos 9.38 proibiu um homem de seguir com eles; Lucas 9.54 quis derramar fogo do céu para consumir os samaritanos).
f.        Depois que ele vence seu leão, vemos um João transformado, um homem que escreve sobre o amor (Evangelho de João, Cartas de João e Apocalipse).
g.       Você quer ser transformado, mate seus leões. Não queira ser promovido, não queira ser usado por Deus sem antes ter vencidos seus leões interiores. Deus pode usar qualquer pessoa, desde que seja transformada (Saulo tornou Paulo).
CONCLUSÃO:
a.       Deus tem grandes planos para você, desça á sua cova e mate seu leão. Esse é o momento para sua luta, Deus está separando este momento para você enfrentar seus leões.
b.      Mas não pense em uma luta exterior, Paulo diz que nossa luta é espiritual (Efésios 6.12). Seu leão pode estar dentro de você.
c.       O resultado será vitória, será livramento, consciência e coração tranquilos na presença de Deus.

(Adaptado de: “A Luta Interior do Pastor” por Pr. Marcelo Aguiar)

Comentários